• mapa de mídias
  • Portal SEI
  • RH Bahia
  • RH Bahia
  • Casa Nova
  • Prêmio Boas Práticas

Cultura

11/07/2019 11:07

Exposição 'Poesia é coisa de mulheres' está aberta ao público até o final de julho

“É muito difícil pra mim falar de Myriam Fraga. É emocionante ver a uma exposição dela e sobre ela”. Foi com muita emoção que Bete Capinan, responsável pela curadoria da Exposição Poesia é coisa de mulheres, e amiga da escritora, abriu a mostra, na quarta-feira (11), na Biblioteca Central do Estado da Bahia (BCEB/Barris).

O evento contou também com as presença do diretor geral da Fundação Pedro Calmon (FPC/SecultBa), Zulu Araújo e Ângela Fraga de Sá, que além de diretora da Fundação Casa de Jorge Amado é filha de Myriam Fraga. Antes da abertura da exposição, foi assinado um termo de doação, onde a FPC vai receber 20 conjuntos com 18 painéis cada, com obras da escritora que seguem para as bibliotecas públicas e salas de leitura do Estado.

“É uma alegria muito grande poder divulgar e preservar a memória e o trabalho de Myriam usando a capilaridade que a Fundação Pedro Calmon tem em todo estado”, disse Ângela. A pedido de Bete Capinan, a FPC foi escolhida para disseminar a exposição em outros locais. “A Fundação Pedro Calmon tem um trabalho extraordinário com as bibliotecas. Nada mais justo que fosse a Fundação levasse este trabalho adiante”, diz Bete.

Para Zulu Araújo, “é uma honra e uma gratificação para a FPC, e para o governo do estado, ter em seu acervo poemas tão belos e profundos quanto foi a vida de Myriam Fraga”, afirmou. Já para o presidente da Academia de Letras da Bahia, Joaci Góes, “não tenho receio de expressar esse tipo de julgamento: Myriam foi e é uma poeta notável. Ela tem o nome assegurado na posteridade da literatura brasileira”, garantiu.

Sobre Myrian Fraga

Começou a publicar poemas em jornais e revistas no final da década de 1950. Foi colunista do jornal A Tarde (1984-2004) e foi a primeira diretora da Fundação Casa de Jorge Amado. Entre 1980 e 1986, esteve à frente de projetos pioneiros na Fundação Cultural do Estado da Bahia e foi responsável pelo projeto de criação do Centro de Estudos de Literatura, hoje Departamento de Literatura. Com poemas traduzidos para o inglês, espanhol, francês e alemão, participou de diversas antologias no Brasil e no exterior. Myriam foi membro efetivo da Academia de Letras da Bahia e membro da Associação Baiana de Imprensa.

Fonte: Ascom/Fundação Pedro Calmon (FPC)

Áudio:

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.