• Portal SEI
  • Festival

Pesquisa

05/12/2018 12:20

Com edital da Fapesb, empresa cria sistema de dessanilização e atende hospitais

O incentivo à inovação feito pelo Governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), vem gerando soluções que estão transformando a vida da população. Nestas quarta e quinta-feira (5 e 6), o auditório da Fundação, localizada no bairro da Federação, em Salvador, recebe o workshop Tecnova, que apresenta o andamento de 21 projetos selecionados pelo edital do Programa Bahia Inovação. Um deles, um sistema de dessanilização da água, já foi implantado em 65% dos hospitais da capital.

Lançado em 2013 pela Fapesb, com contratações efetuadas em 2014 e 2015, o edital contou com aporte de cerca de R$ 8 milhões da linha de financiamento Tecnova, sendo recursos do Estado e da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep).

Apresentado pela empresa Wellan Water Treatment (WWT), o projeto de dessanilização de água é realizado através do processo de osmose reserva, uma solução com alto custo associado, tendo a concepção de uma tecnologia capaz de melhorar um conceito já existente. “Quando nos inscrevemos no edital, tínhamos apenas uma ideia e a convicção de que a tecnologia possuía viabilidade técnica, mas não tínhamos os recursos. Esse montante permitiu avançar com a pesquisa, lançando mão de uma metodologia cara, com uso de microscópio de varredura eletrônica, inclusive”, revelou o diretor executivo da WWT, D’artagnam Gomes.

Com o aporte do edital, o sistema – que é uma espécie de ímã de altíssima potência capaz de fazer uma orientação específica na fase líquida da água, melhorando o elemento magneticamente – foi industrializado e instalado na tubulação de diversas unidades hospitalares da capital e algumas do interior. Com o desenvolvimento do sistema de sensoriamento remoto à distância, também possibilitado pelo incentivo do Bahia Inovação, a empresa passou a contar com a atuação de profissionais com maior capital intelectual, a exemplo de engenheiros químico, eletricista e ambiental, além de biólogo.

“Nos diferenciamos, pois nossa inovação reduziu uma série de gastos associados à osmose reversa. Desde que entramos no edital, a cada ano que passa, o negócio dobra de tamanho, inclusive em faturamento. Estamos presentes em 65% dos leitos hospitalares de Salvador, inclusive os hospitais das Obras Sociais Irmã Dulce, São Rafael, Santo Amaro, Jorge Valente e Santa Isabel”, comemora D’artagnam.

Apoio


Além do suporte financeiro, a Fapesb ofertou a todos os 21 projetos um pacote que incluiu aporte científico, como a orientação técnica e a metodologia para gestão de processos. “Esse é um momento pós-encerramento do contrato, que tem cerca de um ano. Precisamos continuar o acompanhamento e saber se os projetos geraram vendas e também se precisam de algum fator para chegar ao desenvolvimento total”, explicou o responsável pelo edital, o coordenador para Competitividade Empresarial da Fapesb, Alzir Mahl.

Ainda de acordo com Alzir, embora o edital tenha proposto o financiamento do protótipo, “alguns dos projetos, ainda nesta fase, já conseguiram negociar os produtos, conquistando o mercado, como foi o caso da Wellan Water Treatment (WWT)”.

No decorrer do contrato, foram gerados relatórios técnicos e prestação de contas. A dinâmica contou, também, com visitas técnicas in loco, workshop parcial, quando os projetos estavam com 50% de execução, além de uma revista que está prestes a ser impressa, com o intuito de mostrar todos esses resultados para a comunidade e ainda portfólio para essas empresas. “Estamos participando de uma concorrência, junto à Finep, para captar verba e viabilizar a segunda edição deste edital. É provável que ano que vem novos projetos inovadores baianos sejam selecionados pela Fundação”, conclui Alzir.

Inovação

Além de apoiar a pesquisa básica, a Fapesb, ao longo de 17 anos de atividades, tem como prioridade o incentivo a projetos de inovação. “O desenvolver de todos esses projetos tem contribuído para melhorar a competitividade de empresas e qualificar recursos humanos. Todas essas engrenagens compõem um conjunto de fatores que são favoráveis ao desenvolvimento socioeconômico do estado, como um todo, tendo a inovação como peça estruturante”, ressaltou o presidente da Fapesb, Lázaro Cunha.


Repórter: Renata Preza

Áudio:

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.