• mapa de mídias
  • Novs sedes e visturas reforçam segurança no Sudoeste
  • Investimentos na região sisaleira

Meio Ambiente

11/10/2017 17:40

Sistemas de dessalinização garantem segurança hídrica na zona rural de Ipirá

Mais de R$ 1,5 milhão foram investidos pelo Governo do Estado e Ministério do Meio Ambiente (MMA) na implantação dos sistemas de dessalinização sustentáveis do Programa Água Doce (PAD), em dez comunidades do município de Ipirá, no centro norte da Bahia. Esse foi o balanço apresentado pelo titular da Secretaria de Meio Ambiente (Sema), Geraldo Reis, na segunda-feira (9), durante a reunião do Núcleo Estadual do Programa Água Doce, no auditório da Secretaria Municipal de Educação. 

Durante o encontro, beneficiários do programa, gestores municipais, técnicos do PAD e representantes do Ministério do Meio Ambiente (MMA) conheceram os resultados positivos do Água Doce e discutiram a ampliação e a readequação social do programa para agregar ações de inclusão produtiva e geração de renda. Eles também avaliaram a manutenção dos equipamentos sociais de dessalinização, o monitoramento da qualidade da água e a reposição imediata dos equipamentos danificados. 

"Os sistemas de dessalinização já estão beneficiando cerca de 635 famílias, com a oferta de água potável de qualidade, garantindo melhoria de vida, sustentabilidade e segurança hídrica para a população”, destacou Geraldo Reis. 

Um dos beneficiados é o agricultor Dorival Rebouças, morador de Sítio Novo, que celebrou a mais nova conquista. “Somos gratos ao governo porque olhou para a nossa necessidade maior. Antes, a gente bebia água do carro-pipa, era uma água suja, sem higiene. Agora, nós temos água boa, sem falar que a comunidade toda se tornou responsável em cuidar do equipamento. É gratificante”. 

Quem também comemorou os resultados foi o morador do distrito de Cachoeirinha e presidente da associação comunitária local, Arnol Bastos. Segundo ele, além da água de qualidade, o sistema  está proporcionando, com o descarte da água, a criação de tilápia rosa. “Nós criamos as tilápias em três tanques, feitos com lonas, e já chegamos a recolher 300 quilos de peixes, que foram vendidos para a comunidade e também na feira livre da cidade”.

Fonte: Ascom/Sema

Áudio:

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.