• mapa de mídias
  • Novs sedes e visturas reforçam segurança no Sudoeste
  • Investimentos na região sisaleira

Flipelô

11/08/2017 14:10

Exposição 'Livros de Artistas' fica em cartaz até domingo na Flipelô

Um dos objetos-ícones da humanidade, seja na Mesopotâmia dos sumérios de cinco mil anos, em barro, nos papiros dos egípcios ou no primeiro impresso de Gutenberg no século 15, o livro é presença marcante na Feira Literária Internacional do Pelourinho (Flipelô), onde acontece a exposição sobre ‘Livros de Artistas’. A mostra pode ser conferida pelo público, com entrada gratuita, no Centro de Documentação e Memória (Cedom) do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), localizado na Rua Gregório de Mattos, nº29.

“Abrir a exposição com 50 participantes e seus ‘Livros de Artistas’, em um prédio colonial do Pelourinho, é um ato carregado de simbolismos, pois comemoramos a Flipelô e registramos uma casa que abriga a memória de 50 anos do trabalho de restauro na Bahia, além do rico acervo da Biblioteca Manuel Querino”, afirma o diretor geral do Ipac, João Carlos de Oliveira.

Livros exposição
Na mostra, em cartaz no Cedom, os livros não são reproduções de obras de artistas ou apenas um...

O Ipac administra 161 imóveis em Salvador e interior do estado, utilizados para ocupações artísticas, de dinamização urbana, promoção cultural e importantes atividades como a Flipelô, além de serem ocupados por setores do órgão. O Cedom reúne milhares de registros dos 50 anos do instituto, comemorados no 13 de setembro próximo, além de quatro mil documentos, entre plantas e projetos arquitetônicos.

Livros exposição
...um texto ilustrado por um artista, mas o próprio livro, que passa a ser a obra de arte.

O acervo tem ainda 130 mil fotografias, projetos de restauração, dossiês de pesquisas, livros, periódicos e documentos técnicos. A especialidade da Biblioteca Manuel Querino é nas áreas de história, arquitetura, sociologia, antropologia e arte. Segundo a artista plástica Daniela Steele, coordenadora e curadora da exposição, após a mostra, neste domingo (13), os livros voltam ao acervo pessoal do artista, mas nesses dias do evento, “o público pode conferir, tocar e manusear com luvas ou não, enquanto outros ficam isolados em vidro”.

O projeto na Flipelô é um desdobramento de outro que aconteceu no ano passado no Museu de Arte da Bahia (MAB). “O ‘Livro de Artistas’ é uma modalidade da arte contemporânea. Convidamos artistas novos e consagrados de Salvador”, diz Daniela, salientando que não são livros com reproduções de obras de artistas ou apenas um texto ilustrado por um artista, mas o próprio livro, que passa a ser a obra de arte. O ‘Livro de Artista’ passou a ocupar local de destaque, como obra, nos conceitos das artes a partir de meados do século 20.

Fonte: Ascom/Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac)

Áudio:

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.